Translate!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

No ateliê de Alain Gouste!






Ontem me lembrei das mesas grandes dos encontros da minha família luso-brasileira, nas pequenas vilas de Olhos D'água, em Goiás, e Vilar dos Prazeres, aos pés do castelo de Ourém, em Portugal.
É isso o que acontece quando você é convidado para um jantar na casa de amigos, que já fazem parte da família.
Fomos convidados por Ana & Mú – mundialmente conhecidos como “Madame Flotand & Alain Gouste – para um jantar daqueles para ficar na memória.
Na entrada da casa, fomos recebidos pela petit Frida – uma bela basset, cor de Cabernet Sauvignon, fã de brie e patê de campagne, que de cara solta seus “caninos” rebeldes, mas logo, logo fica extremamente doce e suave. Na sala, um lindo piano de armário de mógno,  onde o pupilo do maestro Vittor Santos costuma desfilar toda a sua “catiguria”, uma mesa de centro grande e confortáveis sofás em volta, para que os amigos possam trocar figurinhas e seus últimos “segredos” antes do ato principal.
Aos cinco minutos do primeiro tempo, não contive o ímpeto e dei aquele
“confere” na cozinha/ateliê de AG. Tudo cuidadosamente arranjado de véspera. Me fez lembrar da Vó Rosa, minha avó portuguesa que deixaria Tia Nastácia e Roberta Sudbrack com água na boca. Deu pra ver que, mais uma vez, a coisa seria seríssima.

Na varanda com vista para um Cristo cor-de-rosa, o arsenal de entrada mergulhado em gelo num cubo gigante iluminado de luz verde (que faz lembrar o que deve ser um club de Ibiza antes do bumbo começar a soar) estavam os geniais espumantes brazucas: Salton Reserva Ouro e Salton Evidence. Na vitrola um som diferente...o disco lindão acabado de sair do forno musical dos anfitriões chegava aos nossos ouvidos.
Começou o jogo e entrou em campo um genial gaspacho com sorbet de manga. Dando sequência, veio um creme de baroa com folha crocante de parmesão (servido no copinho) que arrancou suspiros da arquibancada. A essa altura a Suderj já informava: "Sai Salton Ouro e Evidence; entra Joseph Drouhim, um pinot da Borgogne, o espanhol 3 ½ Squared Three e Peique Viñedos Viejos 2006 e o californiano Avalon Cabernet Sauvignon 2007 de Napa Valley", cuidadosamente na ordem escalados pelo técnico Alexandre Lalas, que com esse time, certamente livraria o rubro-negro da segundona – Peique e 3 ½, se sou o técnico da fúria roja, são titulares absolutos, refinados e redondos como era a bola do grande pequeño Raul.

De repente soa o apito: "Todos à mesa!" cantava Clarisse Flotand. Imediatamente ocupamos nossas cadeiras, onde já nos esperava a S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L paella de camarões, cavaquinha e lulas (olha a dica do voto de AG aí!), os aspargos fritos na massa de cerveja de trigo com farinha temperada (de fazer o Zico voltar a jogar bola!) (S-U-P-E-R!) e uma bela salada com delícias da horta! Para fazer dupla de ataque é aberto então, o "unique" Três Bagos, Sauvignon Blanc “tuga” 2009 da Lavradores de Feitoria  (dica do já luso Ivan Lins ), da querida produtora Inês Albuquerque e o clássico Chablis Premier Cru, Denis Race 2008.



Nos acréscimos ainda chegou a crocrante torta crumble de maçãs de AG e a chocante torta de amêndoas de Madame Luciana Plaas, em perfeita harmonia com o “Miner” da Alsace Dopff e Fils.

Obrigado AG & MF,foi tudo mesmo “divinal”, vocês são deliciosos!!! 


P.S: Bão demais dividir esse prazer com os queridos amigos: Ariane, Isa Lima (Domitila), Faustini, Fernanda Machado, Alexandre Lalas, Luciana Plaas e a amada LM.











2 comentários:

Alain Gouste disse...

caríssimo cabôclo,
a vida nada mais é do que esses momentos de comunhão... amigos, irmãos, família ao redor da tavola.
sempre uma grande felicidade pra mim e mme Flottante.
astral maravilhoso, papos, comida e bebida idem.
que delícia me deparar aqui com o jantar transformado em poesia.. belas palavras mon cher!!
forte abraço
Alain G

PS; aproveito pra roubar a foto do gaspacho que por algum motivo (ic..) me esqueci.

Marcelo disse...

Semaninha arretada essa hein minha gente !!!